O Brasil não é pra amadores! Confira os apelidos carinhosos que o brasileiro deu aos caminhões que fizeram história.


 

Torpedo

Popularmente conhecido como Torpedo, o Mercedes-Benz L-312 foi o primeiro da marca produzido no Brasil, em 1956. O modelo recebeu o motor OM-312, de injeção direta, 6 cilindros em linha e 112 cv de potência.

 

imagem

 

Cara-Chata
Lançado há mais de 50 anos no País, o Mercedes-Benz LP-321, conhecido pelo motorista brasileiro como Cara-Chata, foi produzido entre 1958 e 1970 e neste período vendeu mais de 35 mil unidades. O caminhão tinha capacidade de carga de 10 t, além de motor de 121 cv de potência, de 6 cilindros e câmbio de 5 marchas.

 

imagem

 

Jacaré
Em 1976 chegaram os caminhões L, LS e LT 111, da Série 1. O último e mais bem-sucedido capítulo de uma era que durou mais de 20 anos: os chamados “Jacarés”. A cabine bicuda, cujo desenho frontal era mais agressivo, lhe conferia aparência extremamente robusta. Sua característica mais marcante era a cor laranja.

 

imagem

 

João de barro

Em 1963, a Scania colocava em cena o L 76, também chamado pelos brasileiros de João de Barro, devido as cores alaranjadas utilizadas no caminhão, bem próxima às casas construídas pelos pássaros de mesmo nome. O caminhão recebeu motor D11R01, de 213 cv de potência e 76 mkgf de torque.

 

imagem

 

Sapão
O formato de sapo arredondado, na visão dos caminhoneiros, não escapou do radar deles, deixando o Ford F-14000 para sempre conhecido como Sapão.

 

imagem

 

Cara larga
A grade frontal extremamente larga, quase como um sorriso, deu origem ao apelido recebido pelo Ford F-600, também conhecido pelos motoristas brasileiros como Cara Larga.

 

imagem

 

Bob Esponja
Um dos recordistas de vendas da VW/MAN, o VW Constellation 24.250 ficou carinhosamente conhecido como Bob Esponja. Dentre as características do modelo, o amarelo muito próximo ao personagem do desenho animado e seu formato quadrado deram origem ao apelido. Prova do quão popular era, é que 24.250 liderou seu segmento durante vários anos no Brasil, sendo sucedido pelo Constellation 24.280.

 

imagem

 

Boca de bagre
Equipado com cabine Brasinca, o caminhão da FNM ficou conhecido ‘Boca de Bagre’, pelas linhas que envolvem os faróis do modelo.

 

imagem

 

Kombi a diesel

Esse é o apelido que pegou no VW Constellation 19.320, que conta com câmbio manual e motor com 320 cv de potência.

 

imagem

 

Muriçoca
Trazendo avanços consideráveis em relação ao 1111, o Mercedes-Benz 1113, lançado no início da década de 1970, figura como um dos caminhões mais vendidos de todos os tempos no Brasil, com mais de 200 mil emplacamentos. A fama do veículo, porém, não o fez escapar da criatividade do brasileiro, que o tornou conhecido pelo apelido Muriçoca.

 

imagem

 

Veja também:
Cuidados com a mecânica de um caminhão
O longo processo de restauração de caminhão
Funilaria de caminhões em Ribeirão Preto