e-Delivery, caminhão elétrico da VWCO, estreia até junho


O e-Delivery, caminhão elétrico da Volkswagen Caminhões e Ônibus (VWCO), está pronto para ser lançado. É o que indicam os testes feitos pela empresa no Brasil. Assim, o modelo deve ser lançado nos próximos 60 dias. Ou seja, até o final de junho.

A VWCO anunciou o desenvolvimento do protótipo do e-Delivery em 2017. Na época, isso despertou o interesse de grandes embarcadores.

Logo, a Ambev se tornou parceira da fabricante no desenvolvimento do modelo. E há dois anos e meio está realizando testes práticos com o caminhão elétrico. Além disso, cerca de 15 unidades do modelo vêm sendo testado pela fabricante em São Paulo e próxima à planta da empresa em Resende (RJ).

Segundo a VWCO, o e-Delivery passou por mais de 100 diferentes avaliações. De acordo com a empresa, isso representa 400 mil quilômetros rodados. Dessa forma, a montadora informa que se trata da maior frota de protótipos elétricos em testes no Brasil.

Nesse sentido, são cerca de 50 testes específicos só para a parte de eletrificação. Ou seja, as aferições envolvem bateria, recarga, interferência eletromagnética. Bem como performance do sistema de propulsão elétrico e de segurança. Segundo do gerente de e-Mobility da VWCO, Argel Franceschini.

Portanto, a empresa instalou uma infraestrutura específica para o e-Delivery. Nesse sentido, há, por exemplo, carregadores de alta potência de diferentes modelos.

Além disso, os veículos rodam 24 horas por dia em três turnos. Ou seja, durante os sete dias da semana. Assim, é possível tirar o máximo proveito dos testes antes do lançamento.

 

e-Delivery nascido no Brasil

O e-Delivery é o primeiro veículo elétrico desenvolvido no Brasil. Há uma equipe composta por mais de 50 profissionais envolvidos diretamente na execução, aquisição de dados e avaliação dos resultados. Ou seja, todo o desenvolvimento de projeto é nacional. E mais de 250 pontos de instrumentação para monitorar o desempenho específico de cada novo componente.

“O nosso maior desafio foi desenvolver um caminhão em paralelo com o que a indústria desenvolve em outros mercados. Por essa razão, o e-Delivery não nasce de algo derivado ao que existe na Europa. Ele saiu de acordo com as características do transporte brasileiro”, diz Franceschini.

Porém, graças à sua plataforma que nasceu para ser global, a VWCO tem a intenção de comercializar o modelo em outros mercados no futuro. Mas não detalhou quando e como isso deve ocorrer.

 

Parceria com a Ambev rendeu em 40 mil km percorridos

Uma das vantagens da parceria com a Ambev permitiu que e-Delivery rodasse em condições reais. E muitas vezes extremas. Por exemplo, trafegou no intenso trânsito da capital paulista ou por vezes saiu do centro de distribuição para alguma outra região mais afastada da cidade, rodando na chamada intermunicipalidade. Ou seja, fornecendo informações para que a VWCO pudesse garantir sua autonomia nas mais diversas condições.

“Isso nos possibilitou desenvolver um caminhão que não consome energia enquanto está parado. O caminhão tem uma função que desliga a tração. Logo, quando ele para, seja em um semáforo ou em razão do tráfego intenso, não consome energia. Ou seja, a otimização do consumo enérgico esteve entre as etapas do desenvolvimento do e-Delivery”, explica o gerente.

Nesse sentido, o caminhão leve chega ao mercado com duas opções de packs de baterias. A de três packs garante autonomia de 100 a 120 km. Enquanto que a de seis packs, a autonomia fica entre 180 a 200 km dependendo da aplicação e da carga.

Assim, a engenharia da Volkswagen Caminhões garante que o caminhão está apto para atender grande parte das aplicações do transporte urbano e interurbano. Bebida, carga seca, prancha, baú frigorífico, caçamba e prancha-reboque estão entre as operações comumentes realizadas pelo Delivery. Mas que agora ganham a opção da versão elétrica.

 

Infraestrutura de recarga

Dentro do mapa que a VWCO elabora junto com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Anel) existe a projeção de construir 30 carregadores para recarga rápida. O projeto vai contar ainda com a parceria da Volkswagen automóveis.

“Essa estrutura deve ser implementada a médio prazo nas estradas dos principais estados do País. Como São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília. Dessa forma, vai ajudar a cobrir grande parte da aplicação do e-Delivery como interurbano”, explica Argel Franceschini.

Assim, a VWCO ainda afirma que há a estratégia de expandir o portfólio de produto a fim de aumentar a presença dos caminhões com motores alternativos ao diesel em todas as etapas do transporte. E nesse sentido, a empresa adianta que a tecnologia e-Flex está no planejamento. Trata-se do motor VW 1.4 TSI etanol-gasolina-gás capaz de gerar energia para as baterias.

 

O e-Delivery

Contudo, o caminhão chega ao mercado com motor de 300 kw de potência (cerca de 400 cv). Entregando o torque de 219 mkgf. E o modelo poderá ter a opção de transmissão ou não. Ou seja, a escolha vai depender da capacidade do veículo. Bem como das condições em que ele vai rodar.

 

Fonte: Estadão